WhatsApp Ligue agora

CAPACETE HI-TECH

Tecnologia inovadora possibilita Capacete, com a finalidade básica de proteger a cabeça, perceber área energizada.

Capacetes com sensor de tensão vão ser produzidos em escala industrial. O diretor de Distribuição, Antonio Guetter, assinou nesta sexta, dia 10, um contrato para o fornecimento de um sensor para capacete que detecta áreas energizadas e ajuda a evitar o choque elétrico. Inédito no Brasil, o produto foi contratado através de chamada pública lançada pela Copel no final de março. Com a contratação, a Companhia fecha um ciclo de inovação que vai atender uma das necessidades mais importantes da Copel: garantir a segurança no trabalho com a rede elétrica. No primeiro lote, serão produzidas 500 unidades. A ideia inicial nasceu em 2004 esboçada pelo engenheiro eletricista Paulo Moreira de Souza. Em 2009, a ideia foi transformada em projeto de Pesquisa & Desenvolvimento com financiamento da Aneel.

Capacete

O capacete com sensor foi planejado para usar em atividades que, apesar de não necessitarem de intervenção direta na rede elétrica, exige que o eletricista trabalhe próximo às áreas energizadas. Acoplado na parte frontal do capacete, o software da caixinha está calibrado para detectar campos elétricos por aproximação das chamadas áreas contaminadas – no caso da Copel, a distância de segurança recomendada para serviços nas redes de 13,8 mil volts e 34,5 mil volts é 60 cm e 100 cm, respectivamente. O aparelho então emite um alerta sonoro intermitente que só cessa se houver o afastamento da área de risco.

Patente da Copel

Como o produto não existia no mercado, a ideia e o projeto foram desenvolvidos na própria Copel. Em 2004 o engenheiro eletricista Paulo Moreira de Souza esboçou a ideia pela primeira vez. Em 2009 ela foi transformada em projeto de Pesquisa e Desenvolvimento. “Estamos prestes a fechar um ciclo de inovação muito importante para a Copel que vai gerar a primeira patente de produto da Copel Distribuição”, comemora o presidente da Copel, Luiz Fernando Leone Vianna. “A transferência de tecnologia da Copel para a indústria torna a empresa pioneira ao tirar um projeto do papel para a produção comercial”.

Fonte: COPEL

ENVIAR MENSAGEM
%d blogueiros gostam disto: